Arquivos

Categorias
Todas as mensagens
 Link

Votação
 Dê uma nota para meu blog

Outros links
 Site Oficial do Facho de Luz
 BLOG DO FACHO DE LUZ (NOVO)
 Templo dos Iluminados




BLOG DO FACHO DE LUZ
 


A Plataforma da Metafísica Divina-7

 

 

A

PLATAFORMA DA METAFÍSICA

DIVINA

Dárcio



"E a ninguém na terra chameis vosso Pai, porque um só é o vosso Pai,
o qual está nos céus"
Mateus, 23: 9


- 7 -

A crença em “nascimento” é a raiz da fraudulenta aceitação de que “temos mente humana”. Enquanto ficarmos considerando “pais humanos” e desconsiderando o que Jesus disse, “por chamarmos alguém na terra de nosso pai”, estaremos retendo esta mente ilusória que nos faz vivenciar o sonho de “vida terrena”. Certa vez, comentando esta passagem com um cristão de igreja ortodoxa, ele me disse: “E de que maneira irei chamar meu pai, se não posso chamá-lo de pai?” Eis a chamada “mente carnal”, a “ilusão” em forma de mente, atuando hipnoticamente como se fosse realidade! Atua sobre alguém de modo a convencê-lo de que vive, realmente,  na matéria e, ainda por cima, com vida gerada por mortais! Jesus disse: “Trabalhai pela comida que não perece”, ou seja, não basta alguém ter uma Bíblia debaixo do braço, ler nela o tempo todo que “não devemos chamar a ninguém de pai sobre a Terra”, e viver sem “trabalhar” para repudiar esta crença falsa! “UM  SÓ É O VOSSO PAI, QUE ESTÁ NOS CÉUS!” A Verdade é esta! Mesmo assim, se a crença em “outra mente” não for banida, pelas “contemplações absolutas”, veremos unicamente a “ilusão” de “vida humana”, com seus ganchos mentirosos  nos prendendo a ela, dentre os quais o principal: a crença em “nascimento”, em “pais deste mundo”, enquanto Jesus foi claro: “Vós, deste mundo, não sois”.

Desapegar-se de “pais humanos” não significa desconsiderar aqueles que, pela crença falsa, assim são rotulados! O que se requer é uma “visão mais alta”, a "troca de referencial", da  ilusória visão carnal para a Onivisão, onde o Cristo é discernido como sendo “tudo em todos”, INCLUSIVE como aqueles  cegamente “vistos” como seres mortais e atuando como supostos “pais” na Terra. Sem nos dedicarmos para “vencer o mundo”, seremos unicamente uma “estante ambulante” de assuntos espirituais. Precisamos destronar também a crença de que os ensinamentos libertadores são duros demais, profundos demais, ou até “loucuras de Deus”. A Verdade, vivida, deve ser entendida como o “natural” para nós, uma vez que Deus é a Verdade e Deus é quem somos! Toda ideia contrária ao “permanecer em Mim” precisa ser repudiada, banida e erradicada, uma vez que temos a revelação de que “todo aquele nascido de Deus vence o mundo”. “Vencer o mundo” é, em última análise,  estar “em Mim”. Numa de suas orações, Jesus disse: “Pai,
não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. Não são do mundo, como eu do mundo não sou" (João, 17: 15-16). Em outras palavras, sabia que já estamos no Reino, mas a “mente ilusória” encobre o fato por mostrar-nos “este mundo”. Sem o “mal”, ou seja, sem esta ilusória “outra mente”, o mundo pode ser discernido em sua real natureza, espiritual e divina, e a pessoa entende que “renascer” não é “sair da matéria” para “ir ao Pai”, e sim que “ir ao Pai”, é despertar para a Verdade de que “a matéria não existe”. Este despertar traduz o “estar no mundo sem pertencer-lhe”, como nos recomenda a Bíblia. “Deus é infinito, a única Vida, substância, Espírito, ou Alma, a única inteligência do universo, inclusive o homem”, isto é, DEUS É TUDO!

Diante da pergunta: “Quando virá o Reino?", Jesus respondeu aos discípulos: “O Reino está presente NO MUNDO INTEIRO, mas os homens não O enxergam!”  (Evangelho de Tomé). Este é o ponto: Jamais o homem sai de Deus ou volta para Deus! “As obras de Deus são permanentes”. Uma “ilusão de massa” faz com que a humanidade creia em “outra mente”, e, esta condição hipnótica falsa capta “o mundo”, e não o que realmente existe e constitui o Reino. “Em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser”, disse Paulo. Este é o Fato! Ele só é discernido pela “Mente ÚNICA”, a Mente que é Amor. “O Princípio divino é Amor, e o Amor é Mente, e a Mente não é ao mesmo tempo boa e má, porque Deus é Mente; por isso, em realidade, há uma Mente só, porque há um só Deus”.  Identificar-se com esta Mente única é nosso objetivo, também único, que, cumprido, revela em todos a Verdade,  o Cristo, sem "pai na terra", sem "mente humana", sem "terra".



 Continua..>


Escrito por Dárcio às 08h43
[] [envie esta mensagem
] []





A Plataforma da Metafísica Divina-6

 


A
PLATAFORMA DA METAFÍSICA
DIVINA

Dárcio

- 6 -


O princípio diz: “... em realidade, há uma Mente só, porque há um só Deus". Como há gente que diz acreditar na existência de um só Deus! Entretanto, ao mesmo tempo acredita estar sendo “outra presença”, que não a divina! Isto porque aparentemente as pessoas  se identificam com a “mente humana”, e esta admite um Deus perfeito e um homem imperfeito sendo o ser que somos. Já vimos que “nem Deus nem o homem perfeito podem ser percebidos pelos sentidos materiais”. A suposta mente humana retém o conceito de um Deus único e perfeito, enquanto o conceito que faz de nós dista infinitamente desta perfeição! E é quando aparecem os ensinamentos não revelados por Deus, e que partem do “homem imperfeito” que deve “se tornar perfeito”, "evoluir", etc.,  missão esta que é impossível, porque lida  inteiramente com inexistências! As obras de Deus são perfeitas e permanentes, e, o que se requer, é basica e unicamente uma soltura da “ilusão”, para que a Verdade, o Cristo que sempre somos, seja discernido!

Enquanto a pessoa “se julgar pela carne”, estará dando voz à crença mentirosa que diz sermos “ criaturas humanas nascidas em mundo material”. A chamada “morte”, que a Bíblia diz ser “o último inimigo a ser vencido”, será vista como irrealidade tão logo aceitemos que “não existe nascimento”. A mente humana nos mostra nascimentos e mortes, pois não consegue revelar o que é real, permanente e verdadeiro. Repudiar a “crença em nascimento” é a “pedra angular” do conhecimento da Verdade. “Portanto, assim diz o Senhor Deus: Eis que eu assentei em Sião uma pedra, pedra já provada, pedra preciosa, angular, solidamente assentada; aquele que crer não foge.” (Isaías 28:16)  A “pedra angular” é a que forma a esquina mais notória de um edifício, o “fundamento da construção”, que permite ao edifício atingir altitudes sem que possa ruir. Jesus disse categoricamente: “Não chameis de pai a ninguém sobre a face da terra, pois um só é vosso Pai, o qual está nos céus” (Mt. 23:9). Esta colocação de Jesus, “um só é vosso Pai”, é a "pedra angular": endossa nossa natureza puramente espiritual, divina e perfeita, bem como o princípio de que “há um só Deus”. Pedro disse: “Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. Por isso está na Escritura: Eis que ponho em Sião uma pedra angular, eleita e preciosa; e quem nela crer não será, de modo algum, envergonhado.” (1Pe 2 : 5-6). As revelações são todas no mesmo sentido: “somos pedras que vivem”, “casa espiritual edificada”.  Portanto, expulsarmos as “sugestões mesméricas” da ilusória “mente humana”, para aceitarmos radicalmente as revelações concernentes ao que “somos”, nisto consiste o que a Bíblia chama de “renascimento”.


Continua..>



Escrito por Dárcio às 08h25
[] [envie esta mensagem
] []





A Plataforma da Metafísica Divina-5

 

 

 

A
PLATAFORMA DA METAFÍSICA
DIVINA

Dárcio

- 5 -


“O Espírito é Princípio divino, e o Princípio divino é Amor, e o Amor é Mente, e a Mente não é ao mesmo tempo boa e má, porque Deus é Mente; por isso, em realidade, há uma Mente só, porque há um só Deus”. Entender um Deus único, uma Mente única, significa desmascarar a dualidade falsa pela percepção direta desta unicidade. Deus é único e a Mente é única: “estudar a Verdade”, portanto, é “ser” o que é único, sem levar em conta outro fato que não o revelado: “Eu e o Pai somos UM”.

Esta Verdade não é “um modo de pensar a mais”, como se houvesse outros caminhos, senão o “Eu Sou o Caminho”. Ser é “não pensar”, ou seja, é estar identificado com o Todo, com o Único, sem esforço e pela Graça. Esta é a Verdade, “fechada” a sábios e entendidos, que querem encarar este estudo como se fosse mero tema do ilusório “mundo material”. DEUS É TUDO! “O principio divino é Amor, e o Amor é Mente, e a Mente não é ao mesmo tempo boa e má, porque Deus é Mente...” Desse modo, a “crença no bem e no mal” perde o nosso cego endosso, se estivermos reconhecendo a “Mente que é Amor” como sendo única, e, portanto, a Mente nossa e a de todos. Sem “outra mente”, a “ilusão” de vida terrena desaparece, uma vez que unicamente uma suposta “outra mente” poderia estar enxergando "outra existência", algo que não existe. O apóstolo Paulo já havia discernido que “temos a Mente de Cristo”, enquanto confirmava as Escrituras: “Mas como está escrito: As coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo Seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus” (I Cor. 2, 9-10).  Vimos anteriormente que “Deus é infinito, a única Vida, substância, Espírito, ou Alma, a única inteligência do universo, inclusive o homem”; assim, o “Espírito que penetra todas as coisas” é o Espírito de cada um de nós, o Espírito do Único: Deus! Ler que "o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus" somente terá valor quando este Espírito for reconhecido como sendo único e sendo o nosso!

Quem se mostrar aberto ou receptivo ao que está sendo exposto, entenderá a importância da “contemplação”, exaustivamente ressaltada nos artigos ou livros sobre a Verdade. “Contemplar” é cada um, após aceitar o princípio de “ser a Mente divina”, acreditar e considerar já estar discernindo diretamente o Reino do Espírito pelo Sentido espiritual. Mesmo que você pense” estar na ilusão”, usando mente humana e vendo mundo terreno, a Verdade já é outra: VOCÊ ESTÁ EM DEUS, USANDO A MENTE ÚNICA, QUE É DIVINA, E CONTEMPLANDO A REALIDADE ETERNA! Isto não é “meta a ser atingida”, mas um simples reconhecimento com “coração de menino” de que O FATO REAL DESTE AGORA É ESTE! Observe que, se “pensar estar na ilusão”, estará pensando com “outra mente”, além da Mente ÚNICA, e, evidentemente, isto é impossível! Deus jamais pensaria em “estar iludido”.


Continua..>

 



Escrito por Dárcio às 12h49
[] [envie esta mensagem
] []





Um Com Deus

ACESSE 

TAMBÉM O SITE OFICIAL DO

FACHO DE LUZ:

www.fachodeluz.blog.br


 

UM COM DEUS
Orlando Trentini


Deus onipotente, onisciente e onipresente é a Causa e origem de toda a substância. Na Ciência, eu sou a imagem, a manifestação consciente de Deus, por isso, eu não sou material e não dependo da matéria. Em verdade, eu sou espiritual e perfeito. Sou completo, representando e expressando harmoniosamente todas as ideias corretas que emanam do meu maravilhoso Pai-Mãe, a Mente divina e Universal.

Conheço a minha verdadeira identidade de que sou UM com a Mente divina, e sou inseparável da Causa oniativa. Como a ideia brilhante da Verdade divina, da Mente infinita que tudo governa, estou ocupando meu lugar perfeito. Estou posicionado e ungido pela Mente, de cuja criação procedo. Por isso, são parte integrante de meu ser, as qualidades de inteligência, sabedoria, honestidade, sinceridade, transparência, humildade, criatividade, originalidade, receptividade, equilíbrio emocional, capacidade ilimitada e saúde.

Sou eterno e tão indestrutível quanto o Pai-Mãe, e habito para sempre, como divina ideia na consciência da Mente única e verdadeira. Portanto, não estou sujeito à matéria, ás suas crenças de ciclos, nem às falsas leis de hereditariedade, medicina, decadência, insegurança, sentimento de inferioridade, de carência e outros mais sugeridos pela mente carnal.

Sou completo, capaz, e infinitamente eficiente. Ocupo integralmente meu nicho aqui e agora, por isso, nunca estou sujeito à algum tipo de confusão mental, erros de decisão, nervosismo, estagnação, retrocessos, mudanças sem objetivo prático ou que não contribuam para o progresso, tanto meu, como da família, das atividades profissionais e mesmo da Igreja. Por ser a expressão consciente, completa e sempre ativa da Vida imutável e perene, desconheço a escassez, limitações e incapacidade. Estou consciente apenas da ordem, da abundância e do desdobramento harmonioso do plano do Amor divino para mim, hoje mesmo e para sempre.

Sou a manifestação completa, receptiva e diligente das ideias ativas da Mente que é Princípio divino infalível e lei eterna. Toda ideia divina é original, genuína e magnífica. Essas ideias originais são manifestadas através de mim por meio de Sua natureza inextinguível.

Como evidência da única Mente e da Alma habito feliz, alegre e para sempre no seio do meu Pai-Mãe, Deus. Minhas atividades profissionais encontram, a cada dia, maravilhosas oportunidades de progredir, tanto no âmbito humano como no divino. Esta é a Verdade divina que rege meus pensamentos e minhas ações e me torna receptivo a muitas bênçãos e sucessos.

Sou capaz de manter a Verdade divina constantemente. Sou UM com Deus, a Mente, a Vida, o Princípio, a Alma. Por isso, eu compreendo o fato espiritual de Causa perfeita e efeito perfeito. E isso constitui verdadeira oração, que é “Emanuel”, ou seja, Deus comigo. Estou consciente do conteúdo desta oração que é lei irreversível de harmonia e de progresso. Ela irá curar todo o tipo de doença, medo de doença, medo de falhar, medo do futuro, ou qualquer outro tipo de medo. Estou consciente de ser a evidência da Alma, bela e suprema, e, por isso, tenho domínio sobre qualquer tipo de sugestão de manipulação mental, de sugestão mesmérica ou de impulsos para pecar. Esta oração é o advento do Cristo, da mensagem divina, atuando tanto em mim como em todos que trabalham comigo ou com quem eu venha a ter contato hoje ou em outro momento.

Esta oração me direciona e por meio dela tenho coragem moral para “viver e reinar com Cristo os mil anos” (Apocalipse 20:4) e provará para mim ser a segunda vinda do Cristo, a Verdade à humanidade. A consciência-Cristo atua em mim e por meio de mim, cura e regenera, espontaneamente tudo o que precisa ser curado e regenerado.

Este tratamento científico irá cortar os laços de limitações, carências e de todo pensamento negativo e hostil. Fará brotar em mim ideias originais e produtivas que vão trazer suprimento diário e me abastecerão de substância que se auto-multiplica, bem como minhas contas bancárias, meu lar com os tesouros infinitos e inesgotáveis de Deus.

Esta oração está atuando como lei divina de progresso que cancela, para sempre, toda pretensa ação do magnetismo animal. Minha oração é a presença ativa da única consciência-Cristo que atua em mim e por meio de mim. Esta consciência-Cristo aniquila e destrói, todo o tipo de má prática ignorante ou intencional, toda maldição, todo ódio, sobre mim, sobre minha família, minha empresa, o meu ambiente de trabalho onde atuo como uma bênção para a humanidade refletindo o Cristo sanador.

Este reconhecimento consciente do Cristo que opera em mim e através de mim, trará à minha vida alegria, pureza, ordem, paz, harmonia, saúde, inteireza. O Cristo aniquila e dissipa, para sempre, toda mediocridade, mesquinhez, lamentação e queixa, crítica, mágoas e ressentimentos, bem como a má prática inconsciente.

Esta oração científica atua agora mesmo e para sempre esmagando as estocadas do medo, da depressão ou do sucesso inebriante, do remorso, de dores súbitas e sintomas propalados por matéria médica. Meu saber consciente reconhece e está em comunhão constante com a Causa divina, e isso removerá a máscara da velhice, as crenças de perda de forças, de enfraquecimento mental e revelará em mim a eterna juventude e felicidade sem fim. Dissipará meu passado desarmonioso e quaisquer episódios que pareçam ser fantasmas sumirão para sempre revelando o meu glorioso e inteiramente feliz presente que se desdobra de modo contínuo e inalterável, pois está sustentado pela Ciência Cristã. ”As leis eternas de Deus, a lei do bem, que interpreta e demonstra o Princípio divino e sua regra de harmonia universal” (Rudimentos da Ciência Divina, 1:1.).

O meu discernimento espiritual claro e contínuo está garantido por esta oração científica e constitui “ o caminho por Cristo, a Verdade, e com a chave da Ciência divina”, abrirá para mim e manterá ativa a percepção de que sou “ reto, puro e livre” (ver CeS p.171) à imagem e semelhança de Deus. Estou consciente de que existo como a idéia completa e sou a evidência constante do Princípio divino. A Mente divina, da qual sou a consciente emanação, mantém tudo o que me diz respeito sob sua inequívoca jurisdição, hoje e para sempre. Cada pensamento, cada ação, meu inteiro ser, é a expressão ativa, terna e inteligente do Deus vivo. Estou ciente de que sou inseparável da Causa e sua ação perfeita e inabalável. Eu sou UM com DEUS . EU sei, que EU sei, que EU o sei.


*



Escrito por Dárcio às 21h30
[] [envie esta mensagem
] []





A Plataforma da Metafísica Divina-4

 


A
PLATAFORMA DA METAFÍSICA
DIVINA

Dárcio

- 4 -


“Os olhos não viram Deus, ou Sua imagem e semelhança. Nem Deus nem o homem perfeito podem ser percebidos pelos sentidos materiais”. Sendo Deus a totalidade da Existência, se “olhos não viram Deus nem tampouco o homem perfeito”, conclui-se que estes “olhos” veem unicamente inexistências. O que Deus é, o que nós somos, o que tudo é, nada disso pode ser visto por estes olhos. Jesus já nos havia declarado: “Tendes olhos, mas não vedes”; somente esta afirmação já deveria ter sido suficiente para mover o povo rumo aos “olhos que veem”,  “olhos" que em unidade com Deus já temos, e que unicamente enxergam a Realidade espiritual em Suas infinitas dimensões.

 “A individualidade do Espírito, ou o infinito, é desconhecido, e assim um conhecimento a esse respeito é entregue ou à conjetura humana, ou à revelação da Ciência divina”. Partir de Deus como Onivisão, isto é, como Visão única e onipresente, faz com que aceitemos o Fato de já estarmos inclusos neste Sentido divino. Jamais deixamos de “ver o que é real”, porquanto somente existe Deus, e Deus permanentemente vê a Si mesmo como sendo toda a Existência. A adoção deste “ponto de partida” é a “fé absoluta” que nos faz descartar tanto a chamada “visão humana” como tudo aquilo que ela aparenta enxergar. Isto se assemelha a um sonhador que, por despertar do sono, entende completamente a natureza ilusória tanto do olho que via o sonho como das imagens aparentemente “vistas” por ele.

O princípio explica que o conhecimento da individualidade do Espírito, ou seja, do ser que genuinamente somos, ou é “entregue à conjetura humana”, ou “à revelação da Ciência divina”. Em outras palavras, ele nos está alertando o seguinte: ou ficamos com meras teorias e conceituações humanas, ou nos dedicamos a permanecer nos princípios divinos, identificando-nos integralmente com Deus ou com a Verdade, para conscientemente  vivenciarmos nossa individualidade segundo a Visão absoluta, por revelação. Há quem se contente apenas com as conjeturas humanas, que satisfazem o intelecto com nada ou quase nada lhe sendo exigido. Por outro lado, há quem realmente deseja diretamente “conhecer a Verdade”, pelo caminho da revelação, e, este caminho irá lhe requerer dedicação total, como bem ressaltou o profeta Jeremias: “Vós me buscareis, e me achareis, quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jer. 29: 13). Sem esforço algum, você é capaz de admitir "já estar enxergando a Realidade divina, exatamente agora"? Nesse caso, você está "buscando de todo o vosso coração", pois esta aceitação descarta o intelecto e a lógica "deste mundo" e o faz "sintônico" com a Onivisão, ou seja, a Visão divina onipresente é reconhecida como a "sua" única Visão, aqui e agora,  e sua permanência neste princípio lhe revelará o "paraíso".


Continua..>






Escrito por Dárcio às 22h42
[] [envie esta mensagem
] []





A Plataforma da Metafísica Divina-3

 



A
PLATAFORMA DA METAFÍSICA
DIVINA

Dárcio

- 3 -

 

Jesus usou o episódio da "figueira sem frutos" para elucidar o processo da oração científica, muitas vezes entendido como processo puramente mental, mas que, de fato, nos remonta à Essência, ao Absoluto,  onde tudo já existe pronto ou consumado: Tende fé em Deus. Em verdade vos declaro: Todo o que disser a este monte: “Levanta-te e lança-te ao mar, se ele não duvidar em seu coração, mas acreditar que sucederá tudo o que disser, ele obterá esse milagre. Por isso, vos digo: Tudo o que pedirdes na oração, crede que o tendes recebido, e ser-vos-á dado...”  O sentido de “não se duvidar no coração” demonstra a "fé no Absoluto" e não simplesmente  um “crer intelectual” em suposto “poder mental humano”. Esta “fé” está baseada na Verdade absoluta de que Deus é a nossa Existência, a Realidade una e perfeita que é tudo. Portanto, “pedir em oração” equivale a focarmos algo invisivelmente pronto para “vê-lo” conosco, não “neste mundo”, mas na Realidade divina! Primeiramente é preciso que nos reconheçamos, a nós mesmos, em Deus e nunca na “matéria inexistente”.  Mesmo que alguém acredite piamente estar em mundo material, o fato verdadeiro é que jamais esteve nesta “crença” sem substância. As aparências são quadros hipnóticos, e nelas podem ser vistas figueiras viçosas ou secas, mas são ambas ilusórias! “Tende fé em Deus”, disse Jesus a Pedro, vendo que os olhos dele estavam focados na “figueira seca”, e não na Essência, que jamais muda!

A ação de “secar a figueira”, que não estava dando frutos, ilustra o princípio da Unidade: Deus, sendo TUDO, já está em constante Auto-expressão de Sua plenitude, que inclui o homem. Nesta visão absoluta, cada individualidade se exprime em unidade com o todo, sem pensar em “dar, receber ou ganhar” qualquer coisa. Cada ser individual é completo em si mesmo, e “secar a figueira” corresponde à  ação de se destruir a ilusão de que “algo exterior” possa  ser-lhe acrescentado. Por que os ilusórios sentidos mortais mostram pessoas que vivem pensando em dar algo, ou em receber ou ganhar algo? Por serem sentidos falsos! Não mostram o Fato verdadeiro de que  TUDO É UM, TUDO É DEUS e, que “em Deus vivemos”, e isto na condição de sermos  DEUS SENDO DEUS como identidades espirituais específicas ou distintas. Toda avaliação segundo as “aparências” é falsa! As aparências mostram pessoas em diferentes condições, sob as mais variadas maneiras: em termos de conhecimento espiritual, em termos de condição financeira, intelectual, de saúde, etc. Quem poderia negar estas classificações tão notórias aos sentidos humanos? Somente aqueles com “coração de menino”, munidos da “fé científica” de que “o Reino não é deste mundo”. Para tais, a afirmação bíblica “Sois deuses” é considerada em seu ultimato, sendo, assim, acatada e assumida sem questionamentos ou reservas.

Em função do exposto, devemos entender que a oração não é para trazermos algo de Deus para o mundo, mas sim, sairmos desta crença fraudulenta de estarmos no mundo para nos vermos com aquele “algo” já conosco, na dimensão real da Existência, dimensão absoluta que é única e permanente!

Continua..>

 



Escrito por Dárcio às 17h09
[] [envie esta mensagem
] []





Os Passos da Verdade-32 - Final

 

 

OS

PASSOS DA VERDADE

Mary Baker Eddy

 XXXII - FINAL


Espero, caro leitor, estar te guiando para a compreensão de teus direitos divinos, a harmonia que te é concedida pelo céu – e que, pela leitura deste texto, compreendas que não há causa (fora do sentido mortal e material, que erra e não é poder) capaz de te tornar doente ou pecaminoso; e espero que estejas vencendo este falso sentido. Conhecendo a falsidade do assim chamado sentido material, podes fazer valer uma prerrogativa para vencer a crença no pecado, na doença ou na morte.

Se acreditas no mal e o praticas conscientemente, podes, de imediato, mudar teu proceder e praticar o bem. A matéria não pode fazer oposição aos esforços honestos contra o pecado ou a doença, pois a matéria é inerte, não tem mente. Além disso, se crês que estás doente, podes mudar essa crença e ação erradas, sem empecilho por parte do corpo.

Não acredites em nenhuma suposta necessidade de pecar, de adoecer ou de morrer, sabendo (como deves saber) que Deus nunca exige obediência a uma assim chamada lei material, pois tal lei não existe. A crença no pecado e na morte é destruída pela lei de Deus, a qual é a lei da Vida e não da morte, da harmonia e não da discórdia, do Espírito e não da carne.

O preceito divino: “Sede vós perfeitos”, é científico, e os passos humanos que levam à perfeição são indispensáveis. São coerentes os indivíduos que, vigiando e orando, “correm e não se cansam, caminham e não se fatigam”, que conseguem rapidamente o bem e mantêm sua posição, ou que o alcançam lentamente e não cedem ao desânimo. Deus exige perfeição, mas não antes que a batalha entre o Espírito e a carne tenha sido travada e a vitória ganha. Não é direito deixar de comer, de beber ou de vestir-se materialmente, antes que se tenham alcançado, passo a passo, os fatos espirituais da existência. Quando esperamos pacientemente em Deus e procuramos a Verdade com retidão, Ele nos guia ao longo do caminho. Os mortais imperfeitos só lentamente compreendem o objetivo final da perfeição espiritual; mas, começar bem e continuar a luta para demonstrar o grande problema do ser, já é fazer muito.

Durante as épocas sensuais talvez a Ciência Cristã absoluta não seja alcançada antes da mudança chamada morte, porque não temos o poder de demonstrar o que não compreendemos. Mas o eu humano tem de ser evangelizado. Deus exige que aceitemos essa tarefa, hoje mesmo, com amor, que abandonemos tão depressa quanto possível aquilo que é material, e elaboremos o espiritual, o qual determina o exterior e verdadeiro.

Se te aventuras sobre a superfície tranquila do erro e simpatizas com o erro, o que pode perturbar as águas? O que pode arrancar a máscara do erro?

Se lançares teu barco sobre as águas da verdade, sempre agitadas, porém salutares, encontrarás tempestades. Será vituperado o bem que fazes. Isso é a cruz. Toma-a e carrega-a, pois graças a ela ganharás e cingirás a coroa. Peregrino na terra, teu lar é o céu; forasteiro, tu és o hóspede de Deus.


F I M



Escrito por Dárcio às 22h12
[] [envie esta mensagem
] []





 

 

A

MUDANÇA DE REFERENCIAL

Dárcio


Nota: Este texto, "Mudança de Referencial", foi escrito há tempos, quando eu fazia palestras sobre a Verdade Absoluta a partir da revelação de que Deus é Tudo, e de que este Universo é único, e pleno de Luz! O chamado "estudo da Verdade" deve partir da Verdade, e, para isto, devemos assumir como referencial de Existência o que Deus é, e não o que a mente humana nos mostra. Quem entender esta "mudança" e se conservar neste referencial absoluto, e não mais no ilusório referencial humano, que nos julga pelas "aparências" ou pela "carne",  terá facilidade em se identificar com os demais artigos sobre a Verdade Absoluta e, portanto, com a própria identidade absoluta, em Deus.

 

Ao passarmos de qualquer ensinamento relativo para o absoluto, em que a premissa básica é a totalidade de Deus, o primeiro passo exige uma nova tomada de posição. O nosso “referencial” de avaliação do Universo se inverte radicalmente através daquilo a que denominamos “troca essencial”. Os ensinamentos relativos tiveram o seu papel! Divulgaram que “existe um Deus interior”, que “devemos escutar a voz do Cristo interno”, e outras colocações do mesmo tipo. Mas, endossaram a presença de um ser humano, considerando-o existente, apesar de ressaltarem também a nossa Essência divina.

No ensinamento absoluto, a existência ÚNICA de Deus é considerada. Em vez de conscientizarmos “Deus em nosso interior”, tomando por referencial o “mundo das aparências”, conscientizamos que “Deus está sendo tudo e todos”. Em outras palavras, abandonamos o “julgamento segundo as aparências” para contemplarmos o Universo, e a nós próprios, conforme a Visão de Deus.

O referencial é o nosso ângulo de visão. O dia, se visto tomando-se a terra como referencial, poderá se mostrar nublado ou ensolarado. Visto a partir do sol, estará sempre ensolarado! Este é o referencial iluminado! Partimos sempre de Deus, nunca das aparências.

Mudando o “referencial de existência”, nossa atenção permanecerá SOMENTE em nossa identidade divina e única. Além disso, em nosso viver diário, teremos tudo facilitado, por deixarmos de avaliar as pessoas como elas se mostram visivelmente, reconhecendo que todas são  “a luz do mundo”. Pouco a pouco esta visão irá sendo consolidada, se a ela nos dedicarmos realmente.

O antigo referencial nos posicionava numa condição de possuir um “ego humano” a ser anulado, doutrinado ou transcendido. O novo referencial focaliza a Verdade Absoluta de que EXISTE SOMENTE DEUS, e de que “TEMOS A MENTE DO CRISTO”. Na “Prática do Silêncio”, ficamos estabelecidos nestes “princípios”, e a ilusão de dualidade se desfaz, juntamente com sua errônea ideia de que “existe um ser humano trazendo uma Divindade dentro de si”.

Esta “troca essencial” promove também mudança radical em nossa forma de meditar. Nos períodos da “Prática do Silêncio”, não nos esforçaremos para curar ou melhorar alguma pessoa ou condição da aparência visível: PERMANECEREMOS RECONHECENDO O REFERENCIAL VERDADEIRO: “DEUS SENDO A TOTALIDADE DO UNIVERSO E DO NOSSO SER”. Nenhuma atenção será dado ao ilusório “mundo visível” e a seus supostos habitantes humanos.

Não somos seres humanos à espera da Luz. Não temos mente humana a ser espiritualizada. A revelação é clara: “Sois a luz do mundo”. Nossa total e radical identificação com a LUZ UNIVERSAL faz com que deixemos de nos associar com esta “imagem falsa de mundo”, para podermos vivenciar a VIDA COM ABUNDÂNCIA, AQUI E AGORA! Esta experiência nos traz a compreensão plena da frase de Cristo: “Vós, deste mundo, não sois”. Ou de Paulo: “Nele vivemos, nos movimentamos e temos o nosso ser”.

 

*




Escrito por Dárcio às 18h57
[] [envie esta mensagem
] []





A Plataforma da Metafísica Divina-2

ACESSE 

TAMBÉM O SITE OFICIAL DO

FACHO DE LUZ:

www.fachodeluz.blog.br



A
PLATAFORMA DA METAFÍSICA
DIVINA

Dárcio

- 2 - 
 
“Deus é infinito, a única Vida, substância, Espírito, ou Alma, a única inteligência do universo, inclusive o homem” -  eis a Verdade posta como “princípio” a ser admitido sem reservas, sem questionamentos, sem mais nada! Por quê? Por ser verdadeiro e dar provas disso quando  adotado radicalmente, sem que “dividamos a casa” ou sem que “sirvamos a dois senhores”. Não é este o ensinamento de Jesus?" Ele expõe a necessidade desta adesão total ao “princípio divino”, excluindo a chamada “matéria” como parte da Verdade. Nada que é “material” é infinito! Não existe inteligência na “matéria”, e como é dito que “Deus é a única inteligência do universo, inclusive o homem”, deduzimos que “matéria não existe” e que “não vivemos na matéria”.

Diz a Bíblia que, ao sentir fome, Jesus avistou de longe uma figueira, aproximou-se dela mas só tinha folhas. Disse então à figueira: “Jamais alguém coma fruto de ti”. No dia seguinte viram que a árvore secara até a raiz. Pedro comentou o fato com Jesus, que lhe disse: “Tende fé em Deus. Em verdade vos declaro: Todo o que disser a este monte: “Levanta-te e lança-te ao mar, se ele não duvidar em seu coração, mas acreditar que sucederá tudo o que disser, ele obterá esse milagre. Por isso, vos digo Tudo o que pedirdes na oração, crede que o tendes recebido, e ser-vos-á dado...” (Mc. 11: 22).
Que é "secar a figueira"? Fazemos “secar a figueira até a raiz” quando deixarmos de vasculhar “matéria” objetivando encontrar suprimento de qualquer espécie! “Tende fé em Deus”, disse Jesus a Pedro, que lhe falava da árvore seca! Esta “fé” é a admissão plena do “princípio absoluto”: Deus, infinito, sendo reconhecido como “a única Vida, substância, Espírito, ou Alma, a única inteligência do universo, inclusive o homem”, ou seja, todos nós, necessariamente, somos a Vida, a substância, o Espírito, ou Alma, a única inteligência do universo, que é Deus. Jesus ensinava a natureza efêmera e vazia deste suposto “mundo material”, ao mesmo tempo em que explicava que a “fé”, a confiança ou certeza referente a algo, jamais pode estar fundamentada em aparências, mas tão somente em Deus, que é Verdade absoluta.

Sendo Deus "a única inteligência, que inclui o homem", fácil é de se perceber que a suposta “inteligência humana” é falsidade. Na alegoria do Jardim do Éden, o homem foi expulso do paraíso por acreditar na “sabedoria da serpente”,  segundo a qual se tornaria “mais sábio do que Deus”. O resultado dessa crença falsa está na infelicidade coletiva vista no igualmente falso “mundo material”, ou seja, em vez de ficar “mais sábio do que Deus”, o homem se tornou aparentemente escravo de crenças no bem e no mal, vivendo um “sonho mortal” do qual somente se verá “desperto” pelo conhecimento da Verdade.
 

Continua..>


Escrito por Dárcio às 23h22
[] [envie esta mensagem
] []



 
  [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]